top of page
  • Foto do escritorDa Redação

Adriana Palladino | Até quando?

Todos que me conhecem sabem que sou uma estudiosa da causa animal. Leio, faço cursos, interajo com pessoas que sabem mais que eu sobre o assunto. Faço isso pois acredito que, o conhecimento e a experiência fazem com que possamos enxergar tudo mais amplo e com visão de futuro.


Portanto, entendo que a causa animal só será eficiente quando a tríade de ações funcionar em conjunto, o que chamo de CFC: Castração, Fiscalização e Conscientização. Se uma dessas ações não funcionar, infelizmente enxugaremos gelo! E é o que fazemos aqui em nossa cidade. Infelizmente.


Os três pontos são falhos aqui, mesmo com todo meu esforço em trazer o castra móvel, em intermediar a especialização em castrações para o veterinário contratado, e por fim, conseguir um recurso de 100 mil reais para insumos, o castra móvel segue castrando apenas machos.

O segundo ponto, a fiscalização chega ser uma piada. Se acumulam dezenas e dezenas de pedidos através de e-mails, protocolos e pouquíssimo é feito! Quantos animais estão por aí sofrendo, esperando a ação dos entes que tem o poder de fiscalizar e principalmente de multar e até processar essas pessoas? A sensação de impunidade aqui é tanta que aqui ninguém tem medo de nada! Muitas vezes ainda riem de nós, protetores, quando dizemos que é crime tal ato.


Há poucos dias abordei um carroceiro, com toda a educação, dizendo que é PROIBIDO usar chicote em cavalos. Sabe o que ele fez? Ficou me encarando em silêncio e depois que passei por ele e parei o carro no cruzamento ainda ficou olhando, como forma de intimidação!!!

O terceiro ponto, na minha opinião, é o mais difícil: conscientizar as pessoas. Vou dar um exemplo simples. Estivemos na ação promovida pelo município esta semana com as famílias atingidas pela enchente. Estávamos lá para oferecer a castração para esses animais, inclusive os que ficaram sob nossa responsabilidade. É bem verdade que, a grande maioria quis a castração, mas alguns não aceitaram, e ao perguntar a razão de não querer, não souberam explicar, nem com os nossos argumentos. Isso nos frusta e entristece.

A conscientização, a meu ver, é o principal pilar dessa tríade, pois um tutor consciente não maltrata. Ele entende as necessidades do animal; entende que a responsabilidade por aquela vida é dele e entende a importância da castração. Mas muitos infelizmente precisam dessa ação para entender o que é seu dever como tutor e todas as responsabilidades que isso acarreta.

Espero sinceramente que agora, com essa nova gestão possamos ter dias melhores. Pois conheço o novo secretário e sei da sua competência. E por isso tenho um grande carinho por ele. Basta ver o que ele fez pelo Zoo. Vou torcer por dias melhores porque estou há anos esperando que a administração faça algo, de fato, pelos animais. E quanto a mim? Eu seguirei na luta. Essa é a minha missão de vida e vou continuar fazendo a minha parte! E você?


Adriana Palladino.



Comments


bottom of page