• Lenon Quoos

Bebê de 26 dias é localizado após sequestro em Vacaria

Um bebê de 26 dias foi sequestrado na tarde de sábado, 30, em Vacaria, na Serra do Rio Grande do Sul. Segundo a Brigada Militar (BM), a criança foi encontrada na madrugada deste domingo, 1º de maio, após nove horas de buscas. Um homem e uma mulher foram presos em flagrante suspeitos do crime.


A dupla foi autuada por extorsão mediante sequestro qualificado e por roubo majorado, em razão do uso de arma de fogo. Eles foram encaminhados para o presídio de Vacaria. A Polícia Civil pediu ao Poder Judiciário a conversão da prisão em flagrante em prisão preventiva.

Logo após o sequestro, os pais da criança acionaram a polícia, relatando que o casal havia invadido a residência da família, ameaçando com uma arma de fogo. Os suspeitos teriam solicitado R$ 2 mil pelo resgate do bebê. De acordo com o delegado Ancelmo Camargo, que atendeu à ocorrência, a criança e os pais estavam dentro da casa, juntamente com o tio do bebê. "Chegou uma pessoa, bateu na porta com a desculpa qualquer [perguntando] se o imóvel estaria para locação e, de imediato, já apontou a arma de fogo para a mãe da criança e invadiu domicílio", relatou o delegado.

Após colocar os moradores deitados no chão com a arma na nuca do pai da criança, o homem teria chamado sua comparsa, que arrancou a criança da mãe e fez a exigência do dinheiro.

Os agentes identificaram o veículo utilizado pelos autores do crime em imagens de câmeras de segurança privadas, ainda que sem confirmar a placa. Por volta de meia-noite, os policiais encontraram um carro semelhante estacionado em uma residência. Nesse momento, a suspeita deixou o imóvel com uma criança no colo em direção a uma casa abandonada ao lado. O bebê foi encontrado escondido em um banheiro, diz a BM.

A mulher, de 21 anos, é natural de Vacaria e o homem, de 29, é de São Joaquim, Santa Catarina. Conforme a polícia, ela teria perdido uma gestação há pouco tempo. Além disso, eles teriam entrado em contato com os pais do bebê anteriormente, por rede social, oferecendo roupas para doar. A arma e o veículo utilizados no crime, além de um celular, foram apreendidos. A motivação do crime ainda é desconhecida. "A motivação ainda não dá pra ter certeza. No momento do fato, todos que estavam no local, inclusive testemunhas, falaram que eles exigiram R$ 2 mil pela criança, então foi tratado como crime patrimonial. Porém, durante o inquérito, pode ser que apareçam novos elementos que apontem pra outros crimes", afirmou o delegado.

A criança devolvida aos pais e levada até o hospital para avaliação.

Foto: Divulgação

Banner para site-1.png