• Lenon Quoos

Bolsonaro desembarca em Moscou para encontro com Vladimir Putin

O presidente Jair Bolsonaro (PL) desembarcou em Moscou na manhã desta terça-feira, 15, após mais de 15 horas de viagem entre Brasília e a capital russa. Na chegada, o governante desceu da aeronave oficial usando máscara de proteção contra a covid-19 e, em seguida, foi recepcionado por militares do país do leste europeu. Bolsonaro terá agenda amanhã com o presidente russo, Vladimir Putin. Não há compromissos oficiais previstos para hoje.


O foco da viagem é a crise dos fertilizantes. A ida à Rússia ocorre em meio a clima de tensão internacional em razão da possibilidade de o gigante europeu iniciar um conflito armado com a Ucrânia. O Itamaraty orientou o chefe do Executivo federal a não comentar a possibilidade de uma guerra entre os países vizinhos, exceto se o assunto for abordado por Putin durante o encontro.


Bolsonaro foi aconselhado a cancelar ou adiar a ida à Rússia, mas decidiu ignorar os alertas e manteve a programação inicial —ele ficará em Moscou até quinta-feira (17), dia em que também visitará a Hungria para encontro com o primeiro-ministro Viktor Orbán. No sábado (12), o governante brasileiro destacou que considera a viagem importante porque o país depende da Rússia para importação de fertilizantes. E também fez um pedido de paz: "A gente pede a Deus para que reine a paz no mundo para o bem de todos nós".


Mais cedo, Bolsonaro publicou nas redes sociais que já estava no espaço aéreo russo, com uma foto da notícia de que a Rússia ordenou a retirada de parte das tropas da fronteira com a Ucrânia. Bolsonaro e Putin estarão juntos amanhã (16), no Kremlin, sede do governo local. O visitante precisa se adequar a um rígido esquema de controle sanitário imposto pela autoridade russa. Foi solicitado que os integrantes da comitiva brasileira façam até 5 testes do tipo RT-PCR para detecção do vírus da covid-19. Um deles seria realizado entre três e quatro horas antes da agenda.


Bolsonaro estará com Putin em pelo menos dois momentos. O primeiro será um encontro de recepção, seguido por breve conversa entre os dois líderes. Posteriormente, Bolsonaro e outros membros da delegação brasileira participariam de um almoço no Kremlin, de acordo com o planejamento do Itamaraty. Além das agendas com o presidente russo, Bolsonaro também participará de compromissos com representantes do Parlamento russo e com empresários da área do agronegócio.


Tensão mundial

A possibilidade de uma guerra entre Rússia e Ucrânia levou preocupação a toda a comunidade internacional. Líderes do Ocidente têm ameaçado o presidente russo, Vladimir Putin, com a aplicação de sanções severas caso o conflito aberto seja instalado. O chanceler alemão, Olaf Scholz, falou em sanções imediatas "reações duras".


O Kremlin, apesar das ameaças, mantém um amplo contingente militar nos arredores da fronteira com a Ucrânia. Na manhã de hoje, o governo Putin anunciou o início da retirada de parte das tropas que se exercitavam perto das fronteiras do vizinho. A notícia foi bem recebida pela comunidade internacional e ajudou a aliviar um pouco o clima de acirramento, porém ainda não foi descartada a hipótese de conflito armado.

Foto: Divulgação

Banner para site-1.png