• Lenon Quoos

Brigada Militar apura irregularidades em prova do concurso para soldado

Desde domingo, vazaram na internet fotos de prova de concurso para soldado da Brigada Militar, realizada no mesmo dia. Alguns candidatos relataram que houve falha por parte de fiscais que não ficavam dentro das salas durante todo o exame, o que beneficiou alguns concorrentes que utilizaram os celulares para pesquisar respostas.

O comando da Corporação está reunido desde às 9h desta segunda-feira, com representantes da organizadora da prova, Fundação Universidade Empresa de Tecnologia e Ciências (Fundatec), a fim de esclarecer denúncias e processos adotados pela organização contratada para realização da prova intelectual do concurso. A empresa, fundada em 1973 e reconhecida pela elaboração de processos seletivos, foi contatada pela reportagem, mas está com problemas técnicos em seus canais de comunicação e não foi encontrada para dar seu posicionamento sobre o tema.

Os concurseiros deveriam ter entrado na sala de aula com o aparelho celular desligado, lacrado e em um saco plástico, que seria entregue antes de passar na identificação para ter acesso às salas de aula. No entanto, antes mesmo da realização do exame, fotos das folhas e do gabarito sobre a mesa já apareciam em grupos de WhatsApp e redes sociais. O fato do invólucro ser transparente também foi criticada por candidatos, que mencionaram a falta dos “saquinhos” em algumas salas onde ocorreu a prova. Há relatos, ainda, de concorrentes que se encontravam no banheiro, durante a prova, para debater dúvidas sobre as respostas. Segundo o edital do concurso, “o uso do banheiro terá ocupação limitada, devendo os candidatos respeitarem as orientações informadas pelos fiscais no dia de aplicação de provas”. O documento também prevê que os celulares deveriam estar desligados durante o exame e que “após a entrada na sala de prova o candidato não poderá manusear e consultar nenhum tipo de material”. O edital listou alguns objetos que não poderiam entrar na sala no período: chave com controle eletrônico, isqueiro, cigarro, aparelhos eletrônicos como telefone celular, tablets, notebook, máquina fotográfica, calculadora, fones de ouvido, gravadores ou similares. Em negrito, é destacado que “o candidato que estiver portando qualquer desses objetos durante a realização da prova será eliminado do Concurso Público”. Após a reunião, a Brigada Militar emitiu nota informando que a Fundatec “expedirá comunicado de forma a esclarecer e informar os procedimentos quanto à realização da 1ª Fase (Prova Objetiva) no âmbito de sua responsabilidade contratual” e ratifica que a prova foi “de competência exclusiva da empresa contratada”. Um pouco mais de 52 mil candidatos participaram, neste domingo, da prova teórico-objetiva para as 4 mil vagas de soldado da Brigada Militar. Eles tinham três horas e 30 minutos para a resolução do exame e preenchimento da grade de respostas. Para se tornarem militares, os postulantes precisam passar, ainda, por exames de saúde, psicológico e de capacitação física.


Banner para site-1.png