top of page
  • Lenon Quoos

Cachoeira confirma morte e internações por H1N1 e chama para o Dia D da Vacinação no sábado

No final da tarde desta quinta-feira, 18 de maio, o setor de Vigilância Epidemiológica, do Departamento de Vigilância em Saúde municipal emitiu um alerta para o aumento de casos de síndromes gripais e síndromes respiratórias agudas graves (SRAGs), e baixa cobertura vacinal dos grupos prioritários da Campanha Nacional contra Influenza, abaixo da meta de 90% dos grupos prioritários.


Até o momento, foi atingido um total geral de 33,97%. A influenza é uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório, de elevada transmissibilidade e distribuição global e com tendência a se disseminar facilmente em surtos, epidemias sazonais, podendo também causar pandemias.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), os casos de influenza podem variar de quadros leves a graves e podem levar ao óbito. No ano de 2023, ocorreram 32 internações por Síndrome Respiratória aguda grave (SRAG) de residentes em Cachoeira do Sul, destes 13 (40,62%) foram por agentes não

especificados, 9 (28,12%) por Covid-19, 6 (18,75%) por Influenza, sendo

estes 2 (6,25%) por Influenza B e 4 (12,5%) por Influenza A.


Dos confirmados por influenza A, 3 eram por H1N1pdm09, 1 por Influenza A

aguarda resultado de genotipagem. Também 3 (9,37%) internações por Vírus

Sincicial Respiratório (VSR) em crianças. Desde o início de 2023 ocorreram 4 óbitos por SRAG, 1 (25%) óbito por Covid-19, 2 (50%) por SRAG não especificadas e 1 (25%) óbito por Influenza A (H1N1) ocorrido em no dia 9 de maio de 2023 em Cachoeira do Sul, tratando-se de uma paciente do sexo feminino, 83 anos, com comorbidades, não vacinada contra influenza.


A campanha de vacinação contra a influenza iniciou no dia 10 de abril e segue até o dia 31 deste mês. A baixa adesão verificada até o presente é preocupante, sendo uma cobertura insatisfatória e que não atua de forma eficaz na cadeia de transmissão destes vírus respiratórios em nosso município, resultando em grande número de casos e internações, internações em Unidades de Tratamento Intensivo e até óbito por influenza. Desde segunda-feira (15/05), a “vacina da gripe” trivalente, que contém anticorpos que estimulam a proteção a três cepas principais: A-H1N1, A-H3N2 e B, está liberada para todos as pessoas acima dos 6 meses de idade, seguindo as orientações do Ministério da Saúde.


Portanto, é fundamental que os grupos prioritários continuem buscando as unidades de saúde para se vacinarem contra a influenza, uma vez que essas pessoas apresentam maior risco de evoluir para hospitalizações e óbitos por gripe. Sendo assim, reforçamos a recomendação da adesão ao dia D de vacinação no sábado, dia 20, pois esta estratégia de vacinação consiste em uma ação eficaz de interesse nacional, possibilitando maior acesso da população as salas de vacinação.


No Rio Grande do Sul, dentre os casos de hospitalização por influenza já registrados até agora, 36% são maiores de 60 anos e 19% são crianças, ambas faixas contempladas originalmente na campanha. Ao todo, a soma já chega a 25 óbitos por gripe em 2023. A vacina é segura, é gratuita e sua capacidade de reduzir casos graves e óbitos é cientificamente comprovada.

Imagem: Arquivo.

Comentarios


bottom of page