• Lenon Quoos

Candidato à reeleição, Ghignatti afirma que no momento o seu maior problema é o combate a Covid

O candidato a reeleição e atual prefeito de Cachoeira do Sul, Sérgio Ghignatti (PL), afirma que seu maior problema agora é o combate ao coronavírus. "O meu maior problema atual é o combate ao covid-19, é salvar vidas. Acredito que essas medidas duras que estão sendo aplicadas surjam efeitos e salvem vidas. Essa é a maior importância pra mim, pois o Covid-19 não vai acabar no dia 15 de novembro, ele vai continuar", ressalta.


Candidato à reeleição pelo PL, a educação é um dos temas tratados no seu plano de governo. Conforme Ghignatti, o ensino básico que é de responsabilidade da Prefeitura encontra-se em uma fase espetacular, já que possui uma média mais alta em relação ao estado. “Conquistamos esse índice de 6.1 pontos no ensino básico em dois anos do Educar Pra Valer e da Educação Conectada, que possui somente duas cidades do Rio Grande do Sul, sendo uma delas Cachoeira do Sul e a outra Santa Maria”, pontua. O candidato cita também sobre a criação da Lei da Gestão Democrática, que objetiva uma evolução do ensino público, bem como a valorização do profissional da educação com a atualização do plano de carreira.


O prefeito que tentou em outras oportunidades, através de cortes de salários ou adequações de alguns benefícios, medidas que foram contestadas pelos professores, afirma que o professor municipal é altamente valorizado pelo Prefeito Ghignatti. "Sou médico graças a um professor. A valorização do ensino para o aluno e principalmente para o professor é pagar o piso básico nacional em dia. Nesses quase quatro anos pagamos sempre em dia os professores e funcionários municipais. Vamos ter que fazer um estudo junto com os professores e sindicatos para que possamos aperfeiçoar cada vez mais o plano de carreira, visando a segurança e tranquilidade dos professores para que possam transmitir os ensinamentos aos seus alunos, principalmente na questão do pagamento dos seus salários em dia", destaca.


Faps - O Faps é outro ponto importante abordado pelo candidato, e que se encontra com uma dívida imensa. Caso ocorra o terceiro mandato, o prefeito explica que esse problema será resolvido somente se o município firmar uma parceria com o Ministério da Previdência. "Esse problema foi criado em 1994, na gestão do Dr. Ivo Garske. Esse plano de carreira próprio do município foi criado de uma maneira totalmente errada e foi passando de gestão em gestão, continuando até hoje", afirma Ghignatti. Desde o nono mês do primeiro mandato do governo Marlon Santos, quando as alíquotas foram corrigidas, o Faps começou a ser pago novamente.


Para o candidato, no entanto, a dívida anterior se tornou impagável. "Se não tivermos uma parceria com Ministério da Previdência não vamos conseguir resolver o problema por nossa conta. Já levei essa situação duas vezes à Brasília. Espero que o Governo Federal edite novas regras para que possamos compor o fundo do Faps e, desse modo, dar tranquilidade aos aposentados. Não temos outra forma de resolver a não ser esperar o Governo Federal, já que todos economistas que entendem do Faps afirmam que nossa conta é impagável", enfatiza. Ghignatti explica que esse caso não é específico de Cachoeira, já que todos os municípios que entraram para o fundo próprio estão com uma dívida imensa. "São aproximadamente três mil prefeituras brasileiras que estão nas condições de Cachoeira do Sul", destaca.

Transporte Urbano - Sobre o impasse da licitação do transporte coletivo urbano, Ghignatti afirmou que tentou por três vezes fazer uma nova licitação nessa atual administração. "Tentei da maneira mais transparente possível com o auxílio de diversos órgãos estaduais e municipais e não fui feliz. Inclusive tentei na Câmara de Vereadores para que aprovássemos a possibilidade de se colocar consórcios na licitação, ou seja, que duas ou três empresas se unissem para participar da licitação no município, e fomos derrotados pelos vereadores", explica.


O candidato garante que caso for reeleito, irá tentar resolver esse problema quantas vezes for preciso em todas as instancias jurídicas para fazer uma licitação, pois é inadmissível que em Cachoeira essa situação perdure há quase 70 anos e não seja regularizada.


Interior - Sobre o interior do município, no plano de governo está listada a reestruturação das estradas municipais com programas de reformas de estradas, pontes e sinalizações. "Temos mais de 90 pontes de madeira e cinco pontes de concreto antigas. No início desse governo, fizemos um empréstimo e compramos maquinários novo para a Secretaria de Obras. Estamos aumentando o maquinário para que possamos fazer melhorias em 3,8 mil quilômetros de estradas do nosso município", explica.


Sobre a Corsan, ele afirma que o contrato feito com a concessionária foi infeliz, já que o resultado foram ruas esburacadas e irregulares e pouco serviço feito. "Lamentavelmente não estou vendo a universalização do nosso esgoto. Era para termos 100% do esgoto tratado, mas estamos com apenas 36%.

Foto: Reprodução TV Cachoeira



1/1167