top of page
  • Foto do escritorDa Redação

Empresa santa-cruzense investe R$ 30 milhões em seis usinas de energia solar em Candelária e Camaquã

As usinas de investimento para locação de energia solar por assinatura estão em alta no Rio Grande do Sul, principalmente em 2023. Na última semana, a Solled Energia, de Santa Cruz do Sul (RS), iniciou a construção de seis usinas, com a instalação de 13,6 mil placas e geração total estimada em 8,4 WMP. São três usinas em Candelária (área da RGE) e três usinas em Camaquã (região da CEEE Equatorial), com investimento de aproximadamente R$ 30 milhões.


“É uma oportunidade para quem deseja diversificar os investimentos. Assim como investe em mercado financeiro ou imóveis, a usina de locação passa a ser uma outra oportunidade dentro desta carteira. Não apenas para investidores de grande porte, mas também de pequeno e médio.”, destaca a CEO da Solled Energia e coordenadora estadual da Associação Brasileira de Energia Solar (ABSolar), Mara Schwengber.


A empresa, uma das pioneiras do Rio Grande do Sul em energia solar fotovoltaica, desenvolveu os projetos e está construindo as seis usinas, que devem entrar em operação entre abril e agosto de 2024. O empreendimento ainda dispõe de oportunidade para investidores, com cotas de participação no investimento. “São usinas para locação, no sistema de energia solar por assinatura. Cada uma delas parte de um aluguel médio mensal de R$ 75 mil”, destaca Mara.


As usinas de investimento podem ser feitas em dois modelos: solo ou telhados. Em telhados com áreas a partir de 300 metros quadrados, o investimento inicial é em torno de R$ 100 mil, possibilitando chegar a um aluguel mensal em torno de R$ 2,5 mil. Já para as usinas de solo, os investimentos normalmente partem de R$ 250 mil e geram um aluguel próximo a R$ 5,5 mil.


Então, são opções para quem busca diversificação de investimento, melhorar a rentabilidade de um imóvel (instalação em telhado) ou aproveitar uma área de terras disponível. “Um ponto importante e de alerta é que se busque empresas de referência e equipamentos de qualidade, para que de fato se tenha o retorno esperado no médio e longo prazo”, frisa Mara. Além disso, ela alerta para a necessidade de avaliação da viabilidade de rede e de conexão em cada um destes pontos de interesse.

 

Assinatura – Outra modalidade em alta é a usina solar por assinatura, que se apresenta como uma opção para quem não quer ou não pode investir em energia solar própria (não tem telhado, não tem área ou não tem interesse em imobilizar este recurso). “Por assinatura é possível se obter uma economia no custo mensal de energia elétrica na ordem de 7 a 12% sem desembolso financeiro”, afirma Mara. A Solled Energia possui, desde 2018, outras usinas menores no formato por assinatura. São sete unidades de menor porte, locadas para restaurantes, supermercados e condomínios.

 

Sobre a Solled:

A Solled Energia tem 12 anos de história e foi uma das pioneiras do Rio Grande do Sul em energia solar fotovoltaica. Atualmente, possui mais de 3,8 mil instalações de usinas solares, em residências, empresas e entidades, o que corresponde a mais de 80 MW (Megawatts) de potência instalada. A cada ano, os clientes da Solled economizam de mais de R$ 70 milhões e deixam de emitir mais de 11 mil toneladas de gás carbônico (CO²) no meio ambiente.


Imagens: Four Comunicação.

 

Yorumlar


bottom of page