Ghignatti não quer o retorno das aulas presenciais em Cachoeira

Em reunião com diretores da rede privada, o prefeito Sergio Ghignatti reafirmou seu posicionamento contrário ao retorno das aulas de forma presencial nas escolas de Cachoeira do Sul. “Ainda me sinto inseguro quanto ao retorno presencial e temo por um surto de Coronavírus originado nas Escolas”, declarou o prefeito, dizendo também que quer manter o diálogo com o grupo das escolas particulares, assim como com o Siprom e o CPERS, com quem esteve reunido nos últimos dias.


As escolas particulares de Cachoeira do Sul estão em contato com as famílias dos alunos para levantar o número de estudantes que voltaria para o presencial caso o mesmo fosse liberado. Entre os diretores, não há consenso sobre o ganho pedagógico do retorno, considerando que faltam poucos dias para o encerramento do ano letivo, mas, segundo eles, esse não é o único fator que deve ser observado.

No início da semana que vem, as escolas terão em mãos os dados das pesquisas que estão sendo realizadas com as famílias e, no dia 29, deverão apresentar os números ao prefeito.


Quanto à questão do Ministério Público, que pediu para o Município se manifestar a respeito da liberação das demais atividades e da não liberação das aulas, a Prefeitura deverá seguir o posicionamento da FAMURS e da grande maioria dos municípios gaúchos, que não concordam com a vinculação feita pelo Estado. “Tivemos uma situação parecida no episódio da liberação das quadras onde, logo depois da manifestação do MP, o próprio Estado decidiu pela liberação”, relembrou a Diretora da Procuradoria Jurídica do Município, Juliana Flores.


Além das pesquisas das Escolas, a Prefeitura deverá avaliar outras questões, como o número de casos ativos na cidade, para avançar no diálogo com os diretores na semana que vem.  


Banner para site-1.png