• Da Redação

Igor Noronha | Giro da Semana

ITR para o campo A inciativa do Prefeito JOG de destinar mais da metade do que é arrecadado em Cachoeira do Sul de Imposto Territorial Rural é uma grande iniciativa, pedida há muito tempo pelo setor produtivo local. Ano passado foram cerca de R$ 2,8 milhões. Justificativas de que inviabilizaria o município, pois faltaria recursos para outras áreas como saúde e educação e de que não pode vincular receita foi desculpa de quem não valorizou nossa vocação econômica.


Uma rápida lida na literatura sobre o assunto nos mostra que priorizar o que nossos produtores sabem fazer de melhor faz multiplicar o investimento. É o chamado efeito multiplicador que faz aumentar a circulação de riqueza, gerando emprego e renda.

SOMOS AGRO

Não por acaso Cachoeira do Sul há muito tempo está entre as primeiras no PIB do agronegócio do Estado. Temos agronegócio e agricultura familiar forte. Aquele atende o mercado externo pelas exportações e este leva alimento de qualidade à mesa de todos nós.

ALIMENTO À BASE DE ARROZ

Além de promover curso de produção de alimentos à base de arroz, o Executivo Municipal deve implementar a Lei Municipal 4551 de 2018, de minha autoria quando estive na Câmara, que trata da inclusão da farinha de arroz na merenda escolar. As duas iniciativas que beneficiam muito a vocação econômica do nosso município.

ALEX DA FARMÁCIA

A indicação do Vereador para que o município adquira doses de vacina é oportuna. Segundo ele 5 mil doses custariam R$ 265 mil para os cofres da Prefeitura o que dá R$ R$ 53,00 cada vacina.

PRIORIDADES

Diante disso, é inevitável que se faça uma comparação. Com os R$ 47.978,70 gastos em publicação impressa, nestes dois primeiro meses do governo JOG, dariam para comprar 905 doses. Definitivamente, GOVERNAR É ELEGER PRIORIDADES, principalmente quando o governador revogou a cogestão pela bandeira preta que todo Rio Grande do Sul se encontra.

FAPS

A organização da estrutura do Fundo de Aposentadoria dos Municipários vai além de servidores para atuarem com exclusividade. É preciso transparência na gestão pela publicação da movimentação das receitas e despesas, independência funcional dos integrantes, representação de todos os segmentos e um cálculo atuarial que reflita exatamente o quadro considerando tudo o que interessa na vida dos servidores.

SUSTENTABILIDADE

O aumento da capacidade de recolhimento da COOCARI (Cooperativa Cachoeirense de Recicladores) em 25% fará com que menos resíduo seja depositado em contêineres ou nas lixeiras cidade afora, reduzindo o que é gasto com a destinação. Não é de se duvidar que logo a Prefeitura publique uma “campanha” de conscientização no Jornal impresso local, como já fizeram com a abertura da Praia Nova, o pagamento do IPTU, a causa animal e com as ações da COVID, que toda imprensa mundial divulga de forma gratuita.

Igor Noronha


1/1375