top of page
  • Lenon Quoos

Jaqueline Machado | A Moça e a Borboleta

- Eu sou você. E você sou eu–disse a Borboleta.

- Então, por que não consigo voar? Perguntou a Moça.

- Porque pousaste no lugar errado.

Busque pelo endereço certo.

E a felicidade sorrirá para você.

E a sua vida voltará a ter alma...

- Gosto deste lugar.

- Mas será que esse lugar gosta de você?

Há ambientes nos quais somos chamados a ficar.

Em outros, não passamos de meras visitantes.

O tempo da sua visita acabou.

Levanta voo porque o dono da casa quer fechar as portas.

- Minhas asas estão pesadas - disse a Moça.

- Não. O seu coração que está.

- Então o que faço? Se eu tirar o coração morrerei de forma instantânea.

- Nada disso. Arranque a ilusão que nele se instalou, criou raízes e virou floresta.

- Acho que não consigo.

- Consegue. Limpe tudo. Não deixe uma folha sequer.

- Está bem. Mas preciso de algumas horas.

- Tenho mesmo que partir. Amanhã bem cedinho estarei aqui para assistir o teu voo.

- Está bem. Até breve - disse a Moça um pouco mais alegre.


No dia seguinte, nos primeiros raios de uma linda manhã, a borboleta voltou ao local. E se surpreendeu com a amiga que reconheceu a própria essência e também virou borboleta. Uma borboleta de asas douradas que se deixou iluminar pelos raios de sol que clareavam o dia. Na verdade, as duas eram uma. Razão e emoção, que andavam separadas.


Esclarecida, e com as feridas curadas, a Moça - Borboleta levantou um lindo voo e pousou em outro jardim, onde as flores e os moradores do lugar, a receberam em festa.


Jaqueline Machado.

Comentarios


bottom of page