• Da Redação

Jaqueline Machado | A trilogia de Xangô

Reza a lenda que antigamente na cidade de Oió – Nigéria - um rei chamava a atenção de todos por sua retidão e senso de justiça. Na verdade ele também era juiz, chamava -se Xangô e tinha três esposas: Oxum, era a sua primeira mulher e por isso foi concedido a ela os dotes de dona de casa. Por ele a moça foi coroada como sendo a rainha do lar, bela, vaidosa, feliz e responsável pelas delícias... preparadas na cozinha. Oxum era radiante e mantinha o ambiente sempre alegre. Dos pratos que fazia, o favorito do rei era a sua feijoada. Não existia outra de sabor igual. A segunda esposa não menos bela que a primeira, chamava-se Iansã, uma guerreira que parecia possuir a força de mil homens. Pois já havia vencido junto de outros guerreiros, inúmeras batalhas em nome do seu povo. Mesmo sendo ela tão brava e poderosa, conservava em si, um certo ar doce e sensível. E, foi justamente esse misto de força e candura, que fez dela, a favorita do juiz. Já a terceira esposa, também era forte, guerreira e amada, mas talvez por ser um tanto calada sentia-se mais distante de seu amado do que as duas primeiras que eram mais falantes, faceiras e pareciam fazer o coração do rei vibrar a todo instante.

Obá, sabendo que Oxum havia conquistado o marido com sua poderosa feijoada, procurou saber da rainha do lar qual era o segredo mágico de sua receita. Oxum, percebendo as intenções da mulher, enciumou-se, e mentiu dizendo que o segredo estava em colocar uma lasquinha de sua orelha. Obá pediu licença a dona da cozinha para poder cozinhar uma única vez a seu amado. Com a devida licença concedida, a moça adiciona aos temperos um pedaço da própria orelha. No jantar quando todos estavam à mesa, ela mesma fez questão de servir o marido, que ao provar a feijoada indagou o que havia de estranho na refeição. Ao saber que tratava -se de um pedaço de orelha e que Oxum havia mentido para uma de suas companheiras por ciúmes, ele empurra o prato e pune as duas. Obá foi enviada para uma distante região cheia de cachoeiras para que pudesse meditar sobre a vida. E a sua primeira esposa, responsável pelos cuidados com a casa, teve de afastar-se da cozinha por três longos meses. O tempo passou e, mais sensatas, unidas e felizes, as mulheres do rei continuaram a fazer de tudo para agradá-lo. Ele, com gestos nobres, cuidava delas. E lutava para manter a ordem e o amor em sua nação.

Jaqueline Machado.





Banner para site-1.png