top of page
  • Foto do escritorDa Redação

Jaqueline Machado | Por quê?

Por quê?

 

Nada é para sempre... Sendo assim, quero esse amor pra mim.

 

Tudo vai acabar em breve, tão em breve que não sei se vale o esforço da espera de provar da magia dessa chama que me contagia, e que sim, é amor. Ainda assim eu quero. E por um instante me deixo enganar pela ilusão de que tenho o poder de reter a sobrevivência desse amor que é tão lindo - o mais lindo de todos - num frasco consagrado pelo tempo divino.


Não temo a morte. Afinal, ela existe, e dela ninguém escapa. E num dia ou numa noite qualquer, por ela serei levada a viver em outro reino. Mas ao me apaixonar por você, passei a temer a morte. E desejar só o que é infinito. Porque a realidade do que é finito referente a este amor, não me basta.

 

Antes do amor chegar, tudo parecia caber na pequena redoma, morada da vida, mas depois que o amor chegou, tudo se modificou dentro de mim. Um dia parece caber no espaço de um segundo, as semanas são regidas por minutos, um ano não passa de umas poucas horas. E eu querendo você por uns duzentos anos...

 

Mas agora há pouco, olhei para o firmamento e disse: oh, Senhor dos tempos, não seja malvado assim... Antes apreciava habitar o mundo, mas um dia queria morrer só para renascer e sentir minha alma esvoaçante evoluir nas finas camadas celestiais do infinito. Agora não quero mais nada disso. Sou uma pequena flor, e assim quero continuar a ser. E para esse amor, viver a sorrir... Só isso me importa.

Nada mais.

 

O para sempre não existe, tudo são momentos que surgem de outros momentos e isso tudo se segue num ciclo sem fim. Ainda assim quero esse amor que vai durar pouco, apenas alguns segundos... E como amo esse querer...

 

Foi então que o tempo, vestido de nuvem e olhos de sol, apareceu para mim, e se aproximando devagar falou: - Sabe por que o ser humano luta tanto em nome do amor mesmo sabendo que ele pouco vai durar? Por que a vida não passa de breves dias?


E eu, surpresa com a presença daquele velho de aparência jovem, respondi – Não sei.

 

Então ele disse: - Isso acontece porque o amor é a manifestação do Deus Supremo em estado de absoluta graça nos corações. E nem mesmo eu, o tempo, sou eterno. Só Deus vive para sempre. Mas quem vive o amor, em segundos, conhece a eternidade. E descobre o segredo de Deus por inteiro. O amor, em si, é a própria eternidade. Sabe, filha, às vezes, o ser humano é mais privilegiado do que os deuses e não se dá conta disso.

 

- O Tempo se foi. E eu fiquei aqui embevecida com a beleza da grande descoberta.

Agora eu entendi... O tempo do amor não se soma em números. É por si só, uma imensidão, independente do tempo vivido...

 

E me dei conta de que qualquer pedaço de tempo junto de você é uma versão do infinito...



Jaqueline Machado 

Comments


bottom of page