top of page
  • Lenon Quoos

Professores vão cobrar promessas na Prefeitura, mas saem sem respostas


Professores e representantes do Sindicato dos Professores Municipais (Siprom) de Cachoeira realizaram uma mobilização frente ao Paço Municipal na tarde desta terça-feira, 7 de novembro, visando cobrar promessas feitas pelo prefeito José Otávio Germano, afastado no momento.


Com bandeiras do Siprom, os presentes se reuniram para aguardar a reunião com a Prefeita em exercício, Angela Schuh. Assim que foram recebidos, solicitaram a alteração do art. 27 da Lei 3240/2001, uma vez que Angela participou do processo de negociação, sempre firmando o comprometimento do Governo em atender a categoria, bem como manifestar a preocupação e o descontentamento com a inadimplência do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor (FAPS), sugerindo que seja utilizado o valor da outorga da Aegea para quitar a dívida do FAPS, que hoje gira em R$ 23 milhões.

No entanto, o retorno aos professores não foi o esperado, pois não obtiveram nenhuma resposta concreta por parte do Executivo Municipal. "Estamos ao ponto de fechar a Prefeitura por falta de dinheiro. O projeto que altera o Art 27 está congelado no momento, pois não é possível fazer a alteração já que a economia municipal está comprometida. Precisamos mudar o cálculo do Faps", declarou Angela. Estavam presentes os vereadores Felipe Faller e Antônio da Saúde, além do secretário de Governo, Fernando Cantarelli, o procurador geral Hélio Garcia.


A contadora da Secretaria Municipal da Fazenda, Viviane Dias, ressaltou que 86% do orçamento do município é para cobrir os custos da máquina pública, sendo 52,7 % comprometido com a folha.


Com a falta de resposta da Prefeitura para a cobrança das promessas da categoria, a presidente do Siprom, Josie Rosa, enfatizou: "Estamos nos sentindo apunhalados. O governo é o mesmo, a Angela era a vice e apoiou as nossas reivindicações".


Com o cenário atual, o Siprom não descarta a possibilidade de greve caso os anseios da categoria não sejam atendidos.


VOLTA A ESTACA ZERO

Ficou acertado de que a Prefeitura Municipal irá fazer uma audiência pública com o objetivo de fazer segregação em massa para se obter uma melhor forma de se ter um cálculo autorial do Faps. Se a Prefeitura conseguir alterar o alíquota do Faps, automaticamente baixará o comprometimento com a folha. Após essa possível alteração, então será dada a atenção necessária para a alteração do art. 27 da Lei 3240/2001.


Essa contratação de uma empresa para a audiência pública deverá ser formalizada até essa sexta-feira, 10 de novembro.


CONFIRA AS DEMANDAS DO SIPROM:

– utilizar os meios de comunicação para manifestar contrariedade a um novo parcelamento do FAPS;

– utilizar a Tribuna Popular na Sessão da Câmara de Vereadores para manifestar contrariedade a um novo parcelamento do FAPS;

– enviar Ofício para o Ministério Público informando que não estão acontecendo as reuniões do Conselho do FAPS e que os pedidos de informações realizados pela Diretoria do sindicato não são respondidos;

– instalar outdoor, referente a alteração do art. 27 da Lei 3240/2001;

– confeccionar adesivos com a mesma frase do outdoor e divulgá-la nas redes sociais;

– enviar ofício para o Legislativo, solicitando a instauração de uma Comissão Processante para apurar as denúncias de acordo com as teses sustentadas pelo Ministério Público da Operação Fandango.





Imagens: Fatos 24h.





Comments


bottom of page