top of page
  • Foto do escritorDa Redação

Cavalgada da Integração e representantes da 5ª RT participam de acendimento da Chama Crioula



O acendimento da Chama Crioula, evento que marca o começo dos Festejos Farroupilhas, ocorreu neste sábado, 19 de agosto, em Cristal, na Região Sul do Rio Grande do Sul.


O ato ocorreu em frente à casa onde viveu Bento Gonçalves, líder da Guerra dos Farrapos. Na cerimônia, duas mulheres tiveram destaque: Ilva Goulart, presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG), e Maria Luiza Benitez, patrona dos Festejos Farroupilhas.

Como ocorre tradicionalmente desde 1947, em agosto, a centelha do fogo é levada a cada uma das 30 regiões tradicionalistas espalhadas pelo estado até chegar a Porto Alegre antes do dia 20 de setembro – data em que é celebrado o Dia do Gaúcho. Os cavaleiros repetem as cavalgadas em busca da Chama Crioula. Todos os 497 municípios devem receber o fogo. O ato simboliza a coragem, a união dos povos e o sentimento de pertencimento do gaúcho às suas tradições, segundo o Movimento Tradicionalista Gaúcha (MTG). Representantes de Cachoeira estiveram no evento com a Cavalgada da Integração e representantes da 5ª RT.

Caso a chama venha a apagar no caminho, há um lampião com o fogo dentro de um veículo de apoio para fazer a substituição.

Todo o trajeto é feito de cavalo. Há caminhos que superam os 500 quilômetros, como os de cavaleiros que vão para o Noroeste, Norte ou para a Fronteira Oeste do estado. A média diária é entre 30 e 40 quilômetros percorridos. Chama em Cachoeira A chegada da chama em Cachoeira está prevista para o próximo dia 27 de agosto, às 10h, e a centelha ficará na sede da Cavalgada da Integração, na Volta da Charqueada. O trajeto até Cachoeira será pelos campos e estrada de chão, com uma média 30 km por dia. São 30 cavalos e duas carroças envolvidos. Caminhões levam todo acampamento e alimentação do grupo.


Comentários


bottom of page