top of page
  • Foto do escritorDa Redação

Ao lado de forças de segurança e órgãos públicos, Prefeitura divulga os desafios da enchente

A Prefeitura de Cachoeira do Sul reuniu forças de segurança e representantes de órgãos públicos no final da manhã desta sexta-feira, 3, para atualizações a respeito da enchente que assola a cidade e todo Estado. “É um momento de muita dificuldade, as notícias não são boas, mas precisamos enfrentar a situação que está posta”, declarou a prefeita Angela Schuh.


A medição do Rio Jacuí na Rua Moron, realizada durante a manhã, chegou aos 28,20m. Às 12h15min, a medição apontava 28,35m. A Defesa Civil confirmou que o Jacuí sobe cerca de 7cm/h, atingindo áreas da cidade nunca antes alagadas.

A Ponte do Fandango está encoberta pela água e não há trânsito pela mesma desde às 17h do dia 1º, após orientação do DNIT. Não há previsão de retomada do trânsito no local. No momento, Cachoeira não possui nenhuma ligação por terra com a região de Porto Alegre, Santa Cruz, Santa Maria ou Rio Pardo.


Falta de água – A grande preocupação da Prefeitura hoje é o desabastecimento de água, uma vez que a inundação atingiu o patamar da captação ontem à tarde. “O rio precisa voltar ao normal para a captação normalizar”, explicou o gerente da Corsan/AEGEA, Neorildo Dassi. Ele também explicou que a concessionária vai tentar operar com uma bomba submersa que poderá devolver 50% do abastecimento. “É uma tentativa, mas o cenário de voltar à normalidade não é tão próximo”, completou Dassi.


O pedido da Defesa Civil é para que a comunidade racione água, utilizando prioritariamente para consumo humano. Locais como o HCB, Upa e outros serviços de saúde poderão ser abastecidos com caminhão pipa, mas também de forma limitada e restrita.


Organização dos abrigos – A SMIS segue organizando as frentes de trabalho nos abrigos, no Derlizão e na Escola Rio Jacuí, onde já são mais de 160 desabrigados. Além disso, outras110 famílias estão desalojadas, somando 441 pessoas. Voluntários não devem se dirigir diretamente aos abrigos, pois o acesso só é permitido para pessoas autorizadas e identificadas com crachá.

Os animais que foram resgatados das famílias que precisaram sair de suas casas estão em abrigo seguro mantido pela Prefeitura. Doações de ração podem ser feitas no Zoológico Municipal.


Hospital preocupado com o abastecimento de oxigênio – A maior preocupação do HCB é com o abastecimento de oxigênio, que só pode ser transportado via terrestre. “Precisamos pensar em alternativas de transporte aéreo para outros insumos, como os materiais para exames”, declarou o superintendente Luciano Morschel. 



Texto e fotos: Eloisa Uliana


コメント


bottom of page