top of page
  • Foto do escritorDa Redação

Jaqueline Machado | Eterna Criança

Muda o tempo nossa vida,

mas, conosco, vai à frente

uma criança escondida,

brincando dentro da gente.


José de Ávila


Querido confrade, bom saber disso... Pois quero confessar: a infância vive dentro de mim. Nunca morreu. Sequer, adormece. É vida cheia de energia a pulsar em meu ser!


E não estou a falar de uma só criança, não. Mas de várias. Elas gostam de morar no jardim do meu coração. Porque nele as flores têm aroma de talco. As maçãs são todas douradas, e de algumas árvores brotam balas de frutas, machimelos e um certo doce algodão.


Quando chove, a água desce mansa, com cheirinho de manjericão, e logo dá lugar ao sol, estrelinha dourada que em seus raios transmite muita alegria e emoção. Porque é uma força chamada entusiasmo, que faz a beleza da vida acontecer.

Por isso acredito em coisas que poucos creem, e vejo outras, que ninguém vê...


Vejo o mundo através dos olhinhos dessas crianças, e nos seus sorrisos, encontro minha paz.


E como são arteiras! Vivem a brincar de esconde-esconde, a pular, tagarelar e, quando cansam, ouço suas vozes dizerem: Jaque, conta uma história.


Então, recolho-me em algum cantinho confortável, e de um jeito afável começo a escrever historinhas infantis, porque enquanto escrevo, elas escutam. Mas o recreio logo acaba. E elas voltam a brincar, fazendo de mim uma eterna criança que se recusa a crescer.


Jaqueline Machado.

Comments


bottom of page