top of page
  • Foto do escritorDa Redação

Cachoeira vai contra o Estado e Brasil e perde 125 postos de trabalho em novembro

Já é o quarto mês consecutivo que Cachoeira do Sul perde empregos. O pior desempenho de 2023 até o momento ocorreu neste mês de novembro. Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego nesta quinta-feira, 28 de dezembro, a cidade registrou 452 admissões e 577 desligamentos, resultando no fechamento de 125 postos de trabalho.


Só no setor industrial foram 156 vagas formais de trabalho fechadas em novembro. Vale lembrar que ainda não foram incluídos neste conta os 150 demitidos da indústria de calçados Kildare, que encerrou as atividades no início de dezembro na cidade.


Nos 11 meses de 2023, Cachoeira registrou a perda de 225 empregos. A cidade é o antônimo do Rio Grande do Sul e do Brasil no que se refere a geração de empregos, que tiveram saldos positivos neste período.


Estado cria 11.799 vagas com carteira assinada

O Rio Grande do Sul fechou o penúltimo mês do ano com mais contratações do que demissões. O Estado criou 11.799 vagas com carteira assinada em novembro, engatando o quarto mês positivo no mercado de trabalho formal. Os dados são do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados na tarde desta quinta-feira, 28, pelo Ministério do Trabalho e Emprego.


O Rio Grande do Sul teve o terceiro melhor saldo entre os Estados em novembro, ficando atrás apenas de São Paulo (+47.273) e Rio de Janeiro (+47.273). No acumulado do ano, são 76.457 postos gerados no Estado. Nesse recorte, o dado segue mostrando desaceleração em relação ao ano passado, marcado pela recuperação pós-pandemia de covid-19. No agregado de janeiro a novembro de 2022, o saldo ficou em 128.330 postos.


Entre os setores, serviços voltaram a anotar o melhor resultado, com a abertura de 6.450 vagas. Em seguida, aparecem comércio (+4.838) e agropecuária (+2.649). A construção apresentou certa acomodação, com geração de 87 postos. A indústria é o único setor no vermelho em novembro, com fechamento de 2.225 postos.


País gerou mais de 130 mil novas vagas de trabalho em novembro, aponta Caged

O Brasil teve, no mês passado, um saldo positivo de 130.097 postos de trabalho com carteira assinada, segundo divulgou, nesta quinta, 28, o Ministério do Trabalho e Emprego. Em novembro, foram 1.866.752 admissões e 1.736.655 demissões, segundo dados do Novo Caged, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. 


A maioria dos empregos formais foi contabilizada no setor de serviços (92.620) e no comércio (88.706). Com isso, o estoque total recuperado para o Caged foi de 44.358.892 postos de trabalho formais.


No setor de serviços, destaque do mês, houve mais oportunidades de trabalho nas áreas de informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas.


A segunda maior geração, no comércio, mais vagas abriram no setor varejista de artigos do vestuário e acessórios, mercadorias em geral, com predominância de produtos alimentícios e supermercados, além dos artigos de varejista de calçados.

Segundo análise do governo, o impacto sazonal trouxe queda do emprego formal nos em setores como a indústria, com menos 12.911 postos de trabalho. A construção civil também teve queda, com menos 17.300 postos formais de trabalho.


Entre os estados, as unidades da federação com maior saldo em novembro foram São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

Imagem: Arquivo.

 

Comentários


bottom of page